Um dos principais projetos do Rotary International é o intercâmbio de jovens do Rotary, um programa que disponibiliza aos jovens de todo o mundo experimentar novas culturas. Atualmente mais de 82 países estão envolvidos no Programa de Intercâmbio, que conta com a participação de, aproximadamente, 9000 jovens todos os anos.

Luiz Fontanela é oficial de intercâmbio do Clube de São Miguel do Iguaçu, e explica que o projeto no qual São Miguel participa é o de estudo de longa duração, um intercâmbio que o jovem recebe um visto de estudante e já sai do Brasil matriculado em uma escola equivalente ao ensino médio.

Segundo Luiz, para participar do intercâmbio, o aluno deve ter entre 15 e 17 anos, estar regularmente matriculado no ensino médio, e ser apresentado por um Rotary Club, então o oficial de intercâmbio faz as inscrições, que geralmente são entre agosto e setembro, em outubro é feito o teste, normalmente em Francisco Beltrão onde fica o Chairman, responsável pelo distrito. “Em média, 150 jovens fazem a prova de conhecimentos gerais, redação, línguas (escrita e oral) e conhecimento do Rotary, a prova dispõe de 50 a 100 questões, tanto optativas quanto discursivas onde normalmente são selecionados de 70 a 80 jovens. Quem tem melhor desempenho na prova tem a chance de escolher o país que quer fazer o intercâmbio” diz.

rotary-02-intercambio

O intercâmbio dura entre 10 e 12 meses e o aluno sai com visto de 1 ano e com passagens de ida e volta marcadas, “já no outro país, os alunos se hospedam entre 3 e 4 casas de famílias que também são do Rotary, as casa já são pré-definidas antes da saída do jovem. A família acolhedora juntamente com o Rotary fornece escola, hospedagem, alimentação e normalmente uma ajuda ao aluno, que varia entre 50 a 100 dólares por mês, e ainda ajuda com uniforme e material escolar necessário, a família do estudante custeia apenas as despesas de ida e volta”, comenta Fontanela.

Para quem faz o intercâmbio existem normas, como a intenção é para que o aluno conheça os costumes, e estude, é obrigado, entre outras regras, a frequentar a escola, sob pena de ser retirado do programa.

Luiz finaliza dizendo que o objetivo final desse trabalho é a integração e a troca de experiência dos alunos, além da divulgação do nosso país lá fora, “a influência do intercâmbio é tão grande, que muitos dos alunos que conhecem outros países e outras famílias acabam voltado para visitar amigos, e alguns até vão para morar, e trabalhar”.

Fonte: Revista Demais

Participe! deixe aqui seu comentário!

participações