Foi com muita satisfação que o Rotary Bragança Paulista Estância viu seu ilustre companheiro, Marcus Bonna ter o profícuo trabalho que realiza junto à comunidade bragantina reconhecido pela Revista Rotary Brasil.

A excelência do trabalho do rotariano Marcus Bonna, que já lhe rendeu inclusivo o título de cidadão bragantino, veio estampada na matéria jornalística da Revista Rotary Brasil de Janeiro de 2016.

Vale a pena conhecer:

O harmonizador de futuros

Com um projeto de música, o rotariano Marcus Bonna está profissionalizando crianças e jovens em Bragança Paulista.

No Novo calendário dos meses comemorativos do Rotary, janeiro é dedicado aos serviços profissionais, um tema desde o início ligado à história da organização. A importância é tal que, todos os anos, um prêmio condecora rotarianos que tenham causado impacto na comunidade por meio de suas profissões. No período 2014-15, Marcus Cezar Klautau Bonna foi um dos homenageados com o Prêmio Rotary de Liderança em Serviços Profissionais.

Bonna, que é rotariano desde 2009, é associado ao Rotary Club de Bragança Paulista Estância – SP. Parense de nascimento, ele se mudou para São Paulo em 1982 e, por 21 anos, foi músico trompista da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo. O diagnóstico de uma distonia focal mandibular o fez deixar a orquestra e encerrar a carreira de músico profissional.

Ele, então, passou a se dedicar à MB Cases, uma pequena indústria de fabricação de estojos para instrumentos musicais e acessórios fundada junto com a esposa, Kathia, que é pianista. “Após uma queda, em 1990, tive sérios problemas de coluna. Por essa razão, passei a produzir modelos de estojos mais leves e compactos, facilitando assim a minha vida de músico”, conta. A leveza e a praticidade dos modelos criados por Bonna fizeram com que seus estojos alcançassem fama nacional e internacional, e ele passou a exportar 98% da produção. Em 2008, se estabeleceu no município de Bragança Paulista, levando a empresa para um local maior.

Nas redondezas da nova sede, uma realidade chamou atenção de Bonna: a grande concentração de crianças e jovens que passavam a maior parte do tempo nas ruas. Ele então quis montar um projeto para ensinar música gratuitamente, não só para afastá-los da ociosidade, mas também preparar os mais talentosos para se tornarem profissionais.

Marcus e Kathia Bonna

Marcus e Kathia Bonna

Com a ajuda da esposa e de um amigo especialista em ordem unida, nasceu o Projeto Lyra Bragança. As crianças começaram a ter aulas na própria sede da empresa, aos sábados, em horário integral, recebendo café da manhã, almoço e lanche da tarde. Em pouco menos de um ano, foi formada a Orquestra de Metais Lyra Bragança, que segue os padrões das bandas marciais. Hoje, conta com 30 componentes e tem seu trabalho reconhecido no Brasil e no exterior, já tendo vencido concursos.

Pouco tempo depois, foi formada a Fanfarra Alegretti. Igualmente campeã, tem 130 músicos de nove a 18 anos de idade, e seus melhores alunos integram também a Lyra Bragança. Atualmente, a Lyra ensaia na MB Cases duas vezes por semana. Já todas as aulas, desde 2012, têm lugar na Escola Estadual Luiz Roberto Pinheiro Alegretti, na periferia da cidade, em uma região considerada de risco.

“Depois que o projeto foi implementado na escola, foram percebidas mudanças muito positivas no comportamento dos alunos, pois, para participar, eles devem apresentar frequência e notas acima da média, além de mostrar comportamento exemplar”, diz Bonna. Por conta disso, a escola foi escolhida pela Delegacia de Ensino de São Paulo para funcionar em período integral a partir deste ano.

Desde o começo, o Projeto Lyra Bragança é apoiado pelo Rotary Club de Bragança Paulista-Estância. Outros apoiadores também ajudam a tornar real o que Bonna um dia sonhou. “Eu e minha esposa, que também é rotariana, acreditamos que a educação por meio da música pode transformar a vida dos jovens que vivem em situação de risco. Esse contato proporciona às crianças maior desenvolvimento mental e intelectual e desperta a sensibilidade, a criatividade e a concentração, trazendo consideráveis mudanças positivas em seu comportamento”, defende o rotariano.

Fonte: Revista Rotary Brasil 

rotary-braganca-estancia-revista-bonna

Participe! deixe aqui seu comentário!

participações